PEQUENO CURSO SOBRE INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSAS VIDAS

domingo, março 03, 2013 Posted In , , Edit This 0 Comments »
1 - INFLUÊNCIAS OCULTAS OU OSTENSIVAS:

As relações dos Espíritos com os homens são constantes. Os bons Espíritos nos atraem para o bem, nos sustentam nas provas da vida e nos ajudam a suportá-las com coragem e resignação. Os maus nos impelem para o mal: É-lhes um gozo ver-nos sucumbir e assemelhar-nos a eles.

As comunicações dos Espíritos com os homens são ocultas ou ostensivas. As ocultas se verificam pela influência boa ou má que exercem sobre nós à nossa revelia. Cabe ao nosso juízo discernir as boas das más inspirações.

As comunicações ostensivas se dão por meio da escrita, da palavra ou de outras manifestações materiais, quase sempre pelos médiuns que lhes servem de instrumento.

2 - INFLUÊNCIAS BENÉFICAS OU PERNICIOSAS:

Sejam ocultas ou ostensivas, as influências espirituais podem ser BENÉFICAS, quando nos induzem ao bem ou buscam nos auxiliar e, PERNICIOSAS, quando nos induzem ao mal ou buscam nos prejudicar. As influências benéficas se dão por iniciativa dos espíritos amigos e simpáticos:Mentores espirituais do indivíduo; guias familiares:Espíritos responsáveis pelas coletividades; mentores dos Grupos Doutrinários, etc.

As influências perniciosas são oriundas dos Espíritos inferiores; Espíritos levianos; adversários espirituais; entidades que se comprazem com o mal, etc. Normalmente se manifestam sob a forma de obsessão.

3 – OBSESSÃO:

“Entre os escolhos que apresenta a prática do Espiritismo, cumpre se coloque na primeira linha a obsessão, isto é, o domínio que alguns Espíritos logram adquirir sobre certas pessoas. Nunca é praticada senão pelos Espíritos inferiores, que procura, dominar. Os bons Espíritos nenhum constrangimento infligem. Aconselham, combatem a influência dos maus e, se não os ouvem, retiram-se.” (Ref. 1 - item 237)

Obsessão simples:

“Dá-se a obsessão simples, quando um Espírito malfazejo se impõem a um médium, se imiscui, a seu mau grado, nas comunicações que ele recebe, o impede de se comunicar com os outros Espíritos e se apresenta em lugar dos que são evocados.

“A obsessão consiste na tenacidade de um Espírito, da qual não consegue desembaraçar-se a pessoa sobre quem ele atua.” (Ref. 1 - item 238)

Fascinação:

“A fascinação tem consequências muito mais graves. É uma ilusão produzida pela ação direta do Espírito sobre o pensamento de médium e que, e certa maneira, lhe paralisa, lhe paralisa o raciocínio, relativamente às comunicações. O médium fascinado não acredita que o estejam enganando.”

“Efetivamente, graças à ilusão que dela decorre, o Espírito conduz o indivíduo de quem ele chegou a apoderar-se, como faria com um cego, e pode levá-lo a aceitar as doutrinas mais estranhas, as teorias mais falsas, como se fossem a única expressão da verdade. Ainda mais, pode levá-lo a situações ridículas, comprometedoras e até perigosas.” (Ref.1, item 239)

Subjugação:

“A subjugação é uma contrição que paralisa a vontade daquele que sofre e o faz agir a seu mau grado. Numa palavra: O paciente fica sob um verdadeiro jugo.

A subjugação pode ser moral ou corporal. No primeiro caso, o subjugado é constrangido a tomar resoluções muitas vezes absurdas e comprometedoras que, por uma espécie de ilusão, ela julga sensatas: É uma como fascinação. No segundo caso, o Espírito atua sobre os órgãos materiais e provoca movimentos involuntários.” (Ref. 1, item 240)

4 - REFERÊNCIAS:

1 - Kardec, Allan - “O Livro dos Médiuns” - 29ª Ed. - FEB - GB
2 - Kardec, Allan - “O Livro dos Espíritos” - 11ª Ed. - FEB - RJ


Fonte: Progresso Espírita

0 comentários: