Diante da Paz

sexta-feira, abril 30, 2010 Posted In Edit This 0 Comments »
    Entendendo-se a paciência, à maneira de ciência da Paz, não procures a Paz, à distância, de vez que ela reside em ti mesmo.
        A Paz, no entanto, baseia-se na lei da troca que mantém o equilíbrio do Universo, através do binômio “dar e receber”.
        Semeia a Paz, a fim de que a recolhas.
        Quando te não seja possível providenciar a segurança do ambiente fustigado de inquietação, mentaliza a Paz por intermédio da palavra e do pensamento.
        Ante os enfermos, cala os assuntos suscetíveis de criar agitação e oferece-lhes a tranqüilidade, relacionando temas capazes de garanti-la.entretanto, se o verbo não te for facultado, envia idéia de reconforto e encorajamento aos doentes, diligenciando proteger-lhes as forças mentais, ameaçadas de desgoverno.
       Surpreendendo a discórdia, permanece com a verdade e aclara o caminho, mas emite pensamentos de paz, no rumo dos irmãos em contenda; e, se podes falar, pronuncia a frase edificante que consiga ajudar a extinguir os focos de perturbação ou desequilíbrio.
      Renteando com alguma criatura menos feliz, por maiores sejam os motivos que a tornem pouco simpática, rememora os vínculos de fraternidade que nos unem fundamentalmente uns aos outros e procura ampará-la mentalmente, abençoando-lhes a presença com silenciosas mensagens de amor e renovação.
       Se recebes notícias acerca das aflições e provas de alguém, endereça a esse alguém pensamentos de compreensão e consolo que lhe favoreçam o reajuste.
      Conversando, acalma os que te ouvem.
      Escrevendo, articula imagens de otimismo e confiança, serenidade e alegria.
      Lembrando amigos ou inimigos, envia-lhes votos de êxito nas tarefas e compromissos que abracem.
      Seja a quem seja, auxilia como e quanto puderes, afim de que todos os que se comunicam contigo permaneçam em Paz e Alegria.
      Cada consciência, na Excelsa Criação de Deus, é núcleo de vida independente na Vida Imperecível.
      Reflete na importância de tua própria imortalidade e recorda, onde estejas, que a paz de teu ambiente começa invariavelmente de ti.
Xavier, Francisco Cândido. Do Livro: “Rumo Certo”. Ditado pelo Espírito Emmanuel.

0 comentários: